Endometriose - Muito além do útero

A comunidade médica que trabalha com endometriose vê com apreensão a notícia de que uma figura dentre as celebridades internacionais vem a público noticiar que decidiu por uma histerectomia como forma de conter o sofrimento causado por uma endometriose. A notícia em si impacta porque diz respeito a uma jovem de 31 anos e que está diante de um duro veredicto de esterilidade. Nas entrelinhas da notícia estanque, entretanto, há de se analisar alguns aspectos da doença.

A endometriose atinge mulheres jovens e as estatísticas apontam que a maioria delas sofre por até 10 anos até conquistar um diagnóstico definitivo. As queixas, em sua maioria, são de fortes dores, às vezes, incapacitantes, tirando essas mulheres de suas atividades rotineiras, como estudos, trabalho e família.

A população de risco é jovem porque na raiz da doença está a presença do hormônio estrogênio, encontrado em elevado nível entre a maioria das mulheres jovens. Esse hormônio vem dos ovários e tem funções como a de regular a menstruação, controlar a ovulação e preparar o útero para a gravidez.

“Mesmo sem o útero, a mulher continua a produzir estrogênio. Portanto, com base nos estudos científicos que permeiam esta doença, podemos garantir que ela está relacionada ao estímulo do hormônio estrogênio, que vem dos ovários. Para ser mais clara, a retirada do útero não seria a solução para vencer a endometriose”, observa a Profa. Dra. Helizabet Salomão, que faz parte da equipe de especialistas da Clínica Ayrosa Ribeiro, em São Paulo.

Para a professora, que é chefe do setor de Endoscopia Ginecológica e Endometriose da Santa Casa de São Paulo, a retirada de órgãos do aparelho reprodutor feminino não é a primeira opção. “A histerectomia, retirada do útero, quando bem indicada, deve estar associada ao tratamento cirúrgico completo da endometriose com remoção dos focos da doença em outras localizações. A retirada dos ovários, por causa do estrogênio, em uma mulher jovem, na faixa dos 20 ou 30 anos, seria como antecipar a menopausa, o que causaria uma série de outras complicações em sua saúde “, conclui.

As notícias relacionadas à endometriose da jovem atriz e que suscitaram em novas abordagens da imprensa internacional, indicando que a retirada de útero seria a “cura” da doença estão sendo interpretadas erroneamente, tanto entre jornalistas quanto em relação às expressões das mulheres que têm buscado um caminho de cura para a doença. “Queremos realmente fazer um alerta às mulheres, para que não se deixem influenciar por episódios como o da atriz Lena Dunhan. A medicina não sabe precisar quais seriam as causas da endometriose, mas pode afirmar categoricamente que há muitas etapas de tratamento antes de um procedimento tão radical”, finaliza a professora.

http://bit.ly/2kn32Pi

Posts Em Destaque
Posts Recentes