Outubro Rosa: saiba como fazer o autoexame


O mês de combate ao câncer de mama traz para o debate a importância do autocuidado e da atenção a mudanças que podem ocorrer no próprio corpo. Estar informada sobre os sintomas e saber o que fazer para evitar a doença são fundamentais para a saúde da mulher.

Segundo o mastologista do Hospital Regional de Sobradinho, Farid Buitrago, na maioria das vezes, o câncer é descoberto pela própria paciente. “Muitas percebem o nódulo no seio com o próprio toque ou com a mudança da textura da pele mamária”, pontua.

O ideal é que o autoexame seja feito na semana depois da menstruação – quando o corpo está menos inchado. Para aquelas que não menstruam, a recomendação é escolher um dia fixo no mês para fazê-lo.

A orientação é que se observem as mamas sempre que se sentir confortável (no banho, no momento da troca de roupa ou em outra situação do cotidiano). Não existe uma técnica específica para seguir, mas há algumas sugestões que podem facilitar o autoexame como:

  • Em pé: de frente para o espelho, observar o bico dos seios, a superfície e o contorno das mamas. Em seguida, levantar os braços e verificar se há alguma alteração

  • Deitada: apalpar a mama esquerda com a mão direita com movimentos circulares suaves, apertando levemente com a ponta dos dedos. O mesmo se faz com o outro lado

  • No banho: com a pele molhada ou ensaboada, elevar o braço direito e apalpar a mama suavemente com a mão esquerda estendendo até a axila. O mesmo se faz com o outro lado

Caso identifique qualquer alteração, deve-se procurar um posto de saúde para que um médico ginecologista faça um exame clínico das mamas e encaminhe — quando for necessário — para estudos mais detalhados, como a mamografia.

O câncer de mama pode ser percebido em fases iniciais, na maioria dos casos, por meio dos seguintes sinais e sintomas:

  • Nódulo (caroço), fixo e geralmente indolor: é a principal manifestação da doença, estando presente em cerca de 90% dos casos quando o câncer é percebido pela própria mulher

  • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja

  • Alterações no bico do peito (mamilo)

  • Pequenos nódulos nas axilas ou no pescoço

  • Saída de líquido anormal das mamas

Farid Buitrago explica que, mesmo que apareça qualquer sinal de alerta da doença, não significa que há um tumor maligno na mama. A confirmação do câncer só é feita pela biopsia (quando é retirada uma amostra do nódulo ou do tecido mamário).

Fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de mama

Há alguns fatores de risco nos quais é preciso prestar mais atenção, como: obesidade e sobrepeso, sedentarismo, primeira menstruação antes dos 12 anos e parar de menstruar após os 30.

Histórico familiar de câncer de mama ou no ovário também são preocupantes para aparição da doença, principalmente em parentes de primeiro grau.

De acordo com estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca), é esperado, neste ano, 960 novos casos do tumor no Distrito Federal. A faixa etária em que há maior incidência é dos 50 aos 69 anos. No entanto, mulheres mais jovens também estão suscetíveis.

Farid Buitrago esclarece que dá para evitar a doença. “Existem diversos fatores que ajudam a prevenir, como fazer atividade física, ter uma alimentação saudável e fazer os exames periodicamente.” De acordo com ele, quando o câncer é descoberto no início, há 95% de chances de cura.

Posts Em Destaque
Posts Recentes